Bloomberg lança ferramenta de mapeamento para rastrear exposição ao coronavírus

A Bloomberg lançou uma ferramenta de mapeamento para ajudar a rastrear a pandemia causada pelo novo coronavírus. Com a ferramenta, os analistas de pesquisa podem quantificar melhor o impacto do vírus e obter ideias que eles podem transmitir aos gestores de portfólio ou traders para ajudá-los a entender o impacto da pandemia nas empresas, informou a Bloomberg em comunicado.

Com um conjunto de dados rastreados, a ferramenta de mapeamento MAP Virus consegue exibir informações de acordo com o contexto espacial e uma orientação, ajudando os analistas a responder perguntas relacionadas à localização e permitindo a solução de problemas espaciais, segundo a empresa. Essa nova ferramenta de mapeamento faz parte da solução {MAP} da Bloomberg, disponível no Terminal Bloomberg.

O MAP VIRUS extrai dados de diversas fontes, como a Universidade Johns Hopkins, Organização Mundial da Saúde (OMS), agências de notícias, informações de empresas públicas e sites do governo.

“Quer os dados venham da Bloomberg ou de outras fontes, podemos incorporá-los ao Terminal Bloomberg e ajudar os usuários a visualizar a correlação entre diversos conjuntos de dados no contexto de um local”, disse Bobby Shackelton, Chefe de Aplicativos e Dados Geoespaciais da Bloomberg.

De acordo com a empresa, os usuários do Terminal Bloomberg podem procurar empresas ou grupos específicos de empresas, obtendo informações sobre seus ativos físicos (como fábricas, lojas de varejo e ativos de energia), uma lista com curadoria de notícias relacionadas ao novo coronavírus, mencionando determinada empresa ou setor, desempenho de mercado e dados indexados.

Um analista, por exemplo, pode medir a exposição de uma empresa observando o impacto em sua cadeia de suprimentos, se uma grande proporção de suas fábricas e força de trabalho estiver localizada nos Estados Unidos, o atual epicentro da pandemia e onde as medidas de bloqueio econômico e social foram implementadas pela primeira vez.

Os usuários também têm a opção de filtrar os dados colocando-os em conjuntos de dados alternativos, como tráfego de carros ou movimentos marítimos. Eles também podem realizar análises de séries temporais, pois a ferramenta inclui o histórico completo do surto do novo coronavírus. Eles também podem clicar em uma data específica da série cronológica para visualizar as estatísticas desse dia, que são refletidas na visualização do mapa.

“É mais fácil identificar tendências e obter percepções quando você visualiza essas sobreposições em um mapa. Registramos o maior uso do MAP nos primeiros três meses de 2020 desde o seu lançamento em 2016”, disse Shackelton.

Fonte: CIO