Índia obriga trabalhadores a usar aplicativo de georreferenciamento de coronavírus

A Índia ordenou que todos os funcionários do setor público e privado usem um aplicativo de rastreamento de contatos e mantenham o distanciamento social nos escritórios, à medida que começa a flexibilizar algumas de suas medidas de bloqueio em distritos menos afetados pelo coronavírus.

O governo do primeiro-ministro Narendra Modi disse na sexta-feira que a Índia, com a segunda maior população do mundo depois da China, estenderá as restrições nacionais por mais duas semanas a partir de segunda-feira, mas permitirá “relaxamentos consideráveis” em áreas de menor risco.

A Índia lançou no mês passado o aplicativo Aarogya Setu, um sistema baseado em Bluetooth e GPS que alerta usuários que podem ter entrado em contato com pessoas que depois testam positivo para Covid-19.

“O uso do Aarogya Setu será tornado obrigatório para todos os funcionários, tanto privados quanto públicos”, disse o Ministério do Interior, na noite desta sexta-feira.

Os chefes das empresas serão responsáveis ​​”por assegurar 100% de cobertura” entre os empregados.

Funcionários do ministério da tecnologia e um advogado que formularam a política de privacidade do Aarogya Setu disseram à Reuters que o aplicativo precisava estar em pelo menos 200 milhões de telefones para ser eficaz em uma população de 1,3 bilhão.

O aplicativo foi baixado cerca de 83 milhões de vezes no total, em um país com uma base de usuários de smartphones de cerca de 500 milhões, segundo o ministério da tecnologia.

O uso obrigatório do aplicativo está levantando preocupações entre os defensores da privacidade, que dizem que não está claro como os dados serão usados ​​e que enfatizam que a Índia carece de leis de privacidade para governar o aplicativo.

Fonte: Reuters