Teles criam site para governos monitorarem isolamento com dados de celular

As operadoras de telefonia Claro, TIM, Oi e Vivo criaram um serviço único em que governos estaduais, municipais e federal poderão ver “mapas de calor” dos locais onde os brasileiros mais se aglomeram nesta pandemia de coronavírus, usando dados de celulares.

A medida vem para evitar que sejam criadas novas plataformas do tipo a cada pedido do poder público. O serviço mostrará o índice de isolamento social de cada região e dará aos governantes a capacidade de comparar essas taxas com as de outras localidades do Brasil.

A plataforma ficou pronta nesta terça-feira (21), segundo Marcos Ferrari, presidente do Sinditelebrasil (sindicato das teles). Ela foi construída pela ABR Telecom, que já desenvolve diversos serviços que integram dados das empresas, como o da portabilidade numérica.

Segundo Ferrari, já há interessados, como os estados do Consórcio do Nordeste (Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe), além de Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás e o Distrito Federal.

Capitais e outros municípios também poderão acessar a plataforma, desde que tenham mais de 500 mil habitantes. Campinas (SP) e Porto Alegre (RS) também procuraram as teles.

Já começou

De forma parecida com o que já rola no estado de São Paulo, o monitoramento centralizado reunirá as informações de clientes das empresas de telefonia celular. Esses dados serão usados para criar “manchas de calor” sobre os mapas das localidades. Regiões onde há maior concentração de pessoas são tingidas de vermelho, e aquelas com menor, pintadas de verde.

O monitoramento de celulares foi adotado em grande escala na Coreia do Sul para combater a crise do coronavírus. Chegou ao Brasil quando a prefeitura do Rio firmou uma parceria com a TIM. Depois veio a funcionar em SP. Com algumas variações, também foi usado no Recife e no Parará. O governo Jair Bolsonaro iria lançar um monitoramento em escala nacional, mas o suspendeu.

Para ler mais, clique aqui.

Fonte: UOL