UE quer operadoras a recolher dados para rastrear Covid-19

A Comissão Europeia pediu a operadoras de telecomunicações na União Europeia (UE) para recolherem dados pessoais dos utilizadores, sob anonimato, para analisar a propagação da covid-19 no espaço comunitário, visando disponibilizar assistência médica onde é mais necessária.

“Como parte da resposta da Comissão ao novo coronavírus, o comissário europeu do Mercado Interno, Thierry Breton, realizou uma videoconferência com presidentes executivos de empresas europeias de telecomunicações e a GSMA, a associação de operadoras, para discutir […] a partilha de metadados anónimos [dos utilizadores] para modelar e prever a propagação do vírus”, informa o executivo comunitário em comunicado hoje divulgado.

Segundo Bruxelas, nesta videoconferência, foi então abordada a “necessidade de recolher metadados anónimos [a partir dos dispositivos móveis dos utilizadores] para ajudar a analisar os padrões de propagação do novo coronavírus”.

O objetivo de Bruxelas é, através de tais metadados, conseguir localizar e monitorizar a evolução da pandemia na UE, de forma a alocar assistência e equipamentos médicos para onde são mais necessários.

Porém, não é claro quando é que este ‘banco’ de dados poderá entrar em funcionamento ou que Estados-membros poderão ser abrangidos.

Ainda assim, a Comissão Europeia garante no comunicado que esta recolha é feita “de forma totalmente compatível com o Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados [RGPD] e com a legislação ePrivacy”, que prevê a proteção dos dados pessoais nas comunicações eletrónicas.

Para ler mais, clique aqui.

Fonte: ECO Sapo – Portugal