Como o Waze pretende acabar com o apagão de sinal GPS em túneis

 

Se você dirige, sabe como é: você está navegando por uma rota que não conhece e acaba se deparando com um túnel. O sinal do GPS vai para o beleléu e existe grande chance de você se perder ou pegar a entrada errada. Isso é um problema — e o Waze, um dos principais apps do ramo, tem uma solução.

O sistema GPS funciona usando a triangulação de satélites para estimar a localização do usuário. O problema em túneis é que dificilmente os aparelhos conseguem sinal suficiente de diferentes satélites, o que faz com o receptor do seu dispositivo não consiga fornecer localização — alguns aparelhos, no entanto, sabendo que você entrará num túnel, conseguem estimar pela velocidade e distância percorrida o trajeto e ainda dar direções com alguma exatidão.

O fato é que, via de regra, o GPS não funciona bem, e o Waze tem implementado, em parceria com algumas cidades, o que eles chamam de Waze Beacons Program. Os beacons do Waze consistem em pequenos equipamentos instalados em locais subterrâneos ou túneis, que funcionam com a tecnologia Bluetooth.

“Os Waze Beacons são usados estritamente para fins de navegação e nosso principal objetivo com eles é promover segurança para os motoristas e para a comunidade, além de reduzir a preocupação do motorista em não saber qual a próxima orientação que o app lhes dará após a saída do túnel”, disse Gil Disatnik, head do programa de Beacons do Waze, via e-mail ao Gizmodo Brasil.

Então, em túneis com estes equipamentos do Waze, usuários do app conseguem ainda receber direcionamento com precisão. A comunicação, em vez do GPS, é feita via Bluetooth. E se eu não deixo o Bluetooth do smartphone ativado? “Não é necessário pareamento, mas requer que o Bluetooth esteja ligado. A maioria de nossos usuários já deixam a conexão ativa, mas para os que não fazem isso, o Waze enviará um alerta para que liguem”, explica Disatnik. Essa notificação só aparece em trajetos com túneis que tenham os beacons do Waze instalados.

Para continuar a ler, clique aqui.

Fonte: Gizmodo Brasil