Governo planeja reestruturação do Inpe

 

O Governo Federal quer reestruturar o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), um dos principais órgãos de pesquisa no país e ligado ao MCTIC (Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações).

OVALE apurou que a pasta pediu ao diretor interino do Inpe, o militar Darcton Policarpo Damião, uma proposta para nova estrutura do instituto, sediado em São José.

Damião assumiu em substituição a Ricardo Galvão, que comandava o Inpe desde 2016 e foi demitido do cargo, no começo de agosto deste ano, após discordar do presidente Jair Bolsonaro com relação a dados sobre o desmatamento da Amazônia.

Desde então, paira uma “nuvem” de desconfiança sobre o Inpe, em razão dos embates do governo por causa dos dados sobre a floresta.

Segundo o SindCT (Sindicato Nacional dos Servidores Públicos Federais na Área de Ciência e Tecnologia), com sede em São José e que denuncia uma tentativa de “intervenção” do governo na gestão do Inpe, o órgão teria sua área ambiental totalmente reformulada.

O atual CCST (Centro de Ciências do Sistema Terrestre) deixaria de existir.

A CGOBT (Coordenação-Geral de Observação da Terra) e o Cptec (Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos) seriam “rebaixados” e o Cemaden (Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais) seria incorporado ao Inpe.

Essas áreas passariam a compor a CGMMA (Coordenação Geral de Monitoramento, Modelagem e Análise).

“Numa segunda fase, o Inpe seria dividido em pequenos ‘institutos’ não mais ligados à administração direta”, informou o sindicato.

Procurado, o Inpe confirmou que foi enviada uma proposta para o MCTIC, a pedido do ministério, de nova estrutura para o instituto.

‘Proposta é de fim do Inpe e da criação de pequenos institutos’, diz sindicato

Na avaliação do SindCT (Sindicato Nacional dos Servidores Públicos Federais na Área de Ciência e Tecnologia), a proposta de reestruturação do Inpe esconde tentativa de submeter o órgão às diretrizes do governo, dividindo-o em “pequenos institutos” e minando sua força junto à comunidade científica.

A entidade diz que a proposta vem sendo feita “sem apresentação de diagnóstico prévio, estudo adequado, ordenamento legal-administrativo e sem delimitar as possibilidades de participação da comunidade”.

Chamando o diretor do Inpe de “interventor militar”, o sindicato diz que o militar Darcton Policarpo Damião teria dito, em reunião, que tudo já estaria decidido. “Triste, muito triste, que aos 58 anos de idade o Inpe receba uma ameaça tão grave através das palavras de quem ocupa o posto”, afirmou.

Fonte: O Vale